A VIVÊNCIA DO DESEMPREGO POR JOVENS APRENDIZES | Psicol. Argum.
Número Atual
Sobre a Revista
Corpo Editorial
Números Disponíveis
Busca
Índice
Avisar por e-mail
Instruções para autores

Licenciado sob uma
Licença Creative Commons

A VIVÊNCIA DO DESEMPREGO POR JOVENS APRENDIZES | A VIVÊNCIA DO DESEMPREGO POR JOVENS APRENDIZES | Psicol. Argum.

v. 25 n. 51 Out./Dez. 2007 

  A VIVÊNCIA DO DESEMPREGO POR JOVENS APRENDIZES

Unemployment Experience in Young Apprentices

 Maria Sara de Lima Dias 1
Yára L. M. Bulgacov 2
Denise de Camargo 3
 
Resumo

Este artigo revela a vivência subjetiva de jovens que, após passarem por um programa de qualificação profissional como aprendizes, encontram-se na situação de desemprego. Considerando a subjetividade como socialmente enraizada, busca-se, junto às narrativas destes jovens, as marcas de nosso momento social, político e econômico. A pesquisa, ao se configurar como estudo de casos múltiplos de natureza qualitativa, toma como dados empíricos as narrativas de jovens aprendizes em situação de desemprego qualificado. A análise destas narrativas demonstra dois movimentos: o da inserção e o da exclusão. A identidade neste processo é ambígua, relacionada ao tempo em que permaneceram na empresa e à condição de excluídos. Igualam-se e distinguem-se dos demais desempregados. Pela experiência profissional e pelo diploma adquirido, sentem-se qualificados para o trabalho. Ao vivenciarem o papel de excluídos do trabalho, sentem o desemprego como culpa sua. Suas emoções, cognição e ação estão constantemente implicadas na busca de emprego, para repor uma identificação com um papel anteriormente posto, repercutindo na subjetividade desses jovens. Os indicadores mostram que os programas de formação profissional precisam ser estudados criticamente: não conseguem cumprir a meta para a qual foram criados, correm, assim, o risco de ser reduzidos à propaganda dos gestores desses programas.

Palavras-chave : Desemprego. Vivência subjetiva. Identidade profissional.
 
Abstract

This article discloses the experience subjective of young that after to pass for a program of professional qualification as apprentices meets in the situation of total unemployed. Considering the subjectivity as socially taken root one searchs the narratives of these young together the marks of our social moment, economic and politician. The research to if configuring as study of multiple cases of qualitative nature, take as given empirical the narratives of young apprentices in situation of qualified unemployment. The analysis of these narratives demonstrates two movements: that of insertion and that of exclusion. The identity in this process is ambiguous, related to the time they had a job in an enterprise and to their condition of excluded persons. They are equaled and they distinguished from excessively the unemployeds. For the professional experience and the acquired diploma, they are felt qualified for the work. When they experience the role of exclusion from work, they feel that unemployment is their fault. Their emotions, cognition and actions are constantly implied in their search of a job. Through that search they aim at identifying themselves to a role previously put, bearing influence as processes that subjectivity of young persons. The pointers show that the programs of professional formation need to be studied in criticizes : they do not obtain to fulfill the goal for which they had been servant, they run thus, the

Keywords : Unemployment. Experience. Subjectivity. Professional identity.

 

3 Professora Doutora aposentada da Universidade Federal do Paraná. Curitiba-PR


Recebido em 28/06/2006; Aceito em 02/10/2006.
Received in ; Accepted in .
[pdf]

 

OAI-ID: oai:pa.pucpr.br:article/1923
link: http://www2.pucpr.br/reol/index.php/PA?dd1=1923&dd99=view