Estudo do sono e função pulmonar em pacientes obesos mórbidos | Fisioter. mov.
Número Atual
Sobre a Revista
Corpo Editorial
Números Disponíveis
Busca
Índice
Submissão de Artigos
Avisar por e-mail
Instruções para autores

Licenciado sob uma
Licença Creative Commons

Estudo do sono e função pulmonar em pacientes obesos mórbidos | Estudo do sono e função pulmonar em pacientes obesos mórbidos | Fisioter. mov.

Fisioterapia em Movimento v. 25 n. 4 Out./Dez. 2012 

DOI: 10.7213/fisioter.mov.7414
 
  Estudo do sono e função pulmonar em pacientes obesos mórbidos

Sleep study and pulmonary function in morbidly obese

 Isabella de Carvalho Aguiar 1
Israel dos Santos dos Reis 2
Wilson Rodrigues Freitas Junior 3
Carlos Alberto Malheiros 4
Rafael Melillo Laurino Neto 5
Luis Vicente Franco de Oliveira 6
 
Resumo

Introdução: A obesidade acarreta uma série de alterações na fisiologia respiratória e no sono. Seu tratamento tem como objetivo a melhora da saúde e da qualidade de vida. Objetivo: Avaliar a função pulmonar e o sono em indivíduos obesos mórbidos pré-cirurgia bariátrica. Materiais e métodos: Participaram deste estudo 38 pacientes, recrutados em dois serviços de cirurgia bariátrica e encaminhados ao Laboratório de Sono da Universidade Nove de Julho, São Paulo, Brasil. Os critérios de inclusão foram: obesos mórbidos, IMC entre 40 kg/m2 e 50 kg/m2 e IMC entre 35 kg/m2 a 39,9 kg/m2 se associados a comorbidades. Resultados: A média de idade foi de 42 ± 10, o índice de massa corpórea médio foi de 50,09 ± 7,64. A média da circunferência abdominal foi de 132,48 ±11,07 e 134,31 ± 16,26 e de pescoço foi 42,34 ± 2,08 e 44,48 ± 3,67, respectivamente para mulheres e homens. As pressões máximas inspiratórias foram 57,57 ± 18,93 e 60,6 ± 3,72 e máximas expiratórias 56,63 ± 16,68 e 60 ± 18,52, para mulheres e homens respectivamente. O sono do movimento rápido dos olhos apresentou-se com média de 16,93 ± 13,61 e a saturação mínima da oxi-hemoglobina foi de 79,33 ± 10,26 durante o sono. Em 44,74% dos casos examinados, foram observadas alterações na Escala de Sonolência de Epworth (ESE); e em 76,3% ficou confirmada a presença de síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS). Conclusão: Foram observadas alterações nas pressões máximas ventilatórias, na estrutura do sono associadas a considerável dessaturação noturna da oxi-hemoglobina, o que evidencia alta prevalência de SAOS nos pacientes obesos mórbidos.

Palavras-chave : Obesidade. Polissonografia. Força muscular.
 
Abstract

Introduction: Obesity causes a series respiratory physiology and sleep changes. Its treatment aims to improvehealth and quality of life. Objective: To evaluate pulmonary function and sleep in morbidly obeses pre-bariatric surgery. Materials and methods: The study had 38 patients recruited at two bariatric surgery services and referred to the Laboratório do Sono da Universidade Nove de Julho (Uninove), Sao Paulo, Brazil. The adopted criteria were: BMI between 40 kg/m2 and 50 kg/m2 and BMI between 35 kg/m2 to 39.9 kg/m2 associated comorbidities. Results: Mean age was 42 ± 10, the mean body mass index was 50.09 ± 7.64. The average waist circumference was 132.48 ± 11.07 and 134.31 ± 16.26; the circumference neck was 42.34 ± 2.08 and 44.48 ± 3.67, respectively for women and men. The maximum inspiratory pressures were 57.57 ± 18.93 and 60.6 ± 3.72 and 56.63 ± 16.69 maximal expiratory and 60 ± 18.52 for women and men,respectively. The rapid eye movement sleep presented a mean of 16.93 ± 13.61 and minimum oxy-hemoglobinsaturation of 79.33 ± 10.26 during sleep. In 44.74% of the cases studied changes were observed in the Epworth Sleepiness Scale; and in 76.30% the presence of the syndrome of obstructive sleep apnea (OSA) was confirmed. Conclusion: We observed changes in maximum pressure ventilation in sleep structure associated with significant nocturnal desaturation of oxy-hemoglobin showing a high prevalence of OSA in morbidly obese patients.

Keywords : Obesity. Polysomnographic. Muscle strength.

 

1 Fisioterapeuta, mestranda do Programa de Mestrado e Doutorado em Ciências da Reabilitação, Universidade Nove de Julho (Uninove), São Paulo, SP - Brasil, e-mail: isabella.carvalhoaguiar@gmail.com
2 Fisioterapeuta, mestrando do Programa de Mestrado e Doutorado em Ciências da Reabilitação, Universidade Nove de Julho (Uninove), São Paulo, SP - Brasil, e-mail: ireissantos@uol.com.br
3 médico do Departamento de Cirurgia da Santa Casa de Misericórdia, São Paulo, SP - Brasil, e-mail: wrfjr@uol.com.br
4 Médico do Departamento de Cirurgia da Santa Casa de Misericórdia, São Paulo, SP - Brasil, e-mail:camalheiros@terra.com.br
5 Médico, coordenador do Grupo de Cirurgia Bariátrica do Conjunto Hospitalar do Mandaqui, São Paulo, SP - Brasil, e-mail: rmlaurino@uninove.br
6 Fisioterapeuta, professor do Programa de Mestrado e Doutorado em Ciências da Reabilitação, Universidade Nove de Julho (Uninove), São Paulo, SP - Brasil, e-mail:oliveira.lvf@uninove.br


Recebido em 19/12/2012; Aceito em 19/12/2012.
Received in ; Accepted in .
[pdf]

 

OAI-ID: oai:rfm.pucpr.br:article/7414
link: http://www2.pucpr.br/reol/index.php/RFM?dd1=7414&dd99=view