XXI Seminário de Iniciação Científica














 


Busca avançada

 

Imprimir     Enviar por e-mail Disponibilizado em 01/01/1901  

 

Terapia com células mesenquimais estromais derivadas de medula óssea humana em modelo experimental de asma alérgica

01/01/1901 -

Introdução: A asma é definida como uma doença inflamatória crônica que envolve predominantemente as grandes vias aéreas, onde várias células, entre elas linfócitos T, eosinófilos, macrófagos, mastócitos, neutrófilos e células epiteliais desempenham um importante papel. Entretanto, evidências patológicas e fisiológicas têm surgido nos últimos anos sugerindo que o processo inflamatório se estende para vias aéreas proximais e parênquima pulmonar. A asma é uma doença frequente, que afeta 5 a 10% dos adultos, comprometendo crianças em maior proporção. Atualmente, é um importante problema de Saúde Pública. Sua terapia é voltada à redução da inflamação, prevenindo e retardando o desenvolvimento das alterações estruturais irreversíveis nas vias aéreas. Porém, até o momento, não há nenhuma terapia capaz de impedir o remodelamento das vias aéreas. Nesse contexto, a terapia com células mesenquimais estromais – mesenchymal stromal cells (MSC), por apresentar atividade anti-inflamatória e anti-fibrogênica, pode vir a ser uma opção terapêutica benéfica nesta afecção. Objetivo: Avaliar a eficácia da terapia com MSC derivadas da medula óssea humana no processo inflamatório, no remodelamento das vias aéreas e o impacto sobre a função pulmonar em modelo experimental de asma alérgica. Metodologia: Camundongos BALB/c foram aleatoriamente divididos em dois grupos principais. No grupo ASMA os animais foram sensibilizados com ovalbumina e hidróxido de alumínio como adjuvante nos dias zero e 14, e foram desafiados por via intranasal com solução contendo ovalbumina nos dias 19, 20 e 21. No grupo CTRL os animais foram submetidos ao mesmo protocolo, porém recebendo somente solução salina. Vinte e quatro horas após o terceiro desafio, os animais dos grupos CTRL e ASMA foram novamente divididos em dois subgrupos que receberam solução salina (SAL) ou células mesenquimais estromais humanas – human mesenchymal stromal cells (hMSC) intravenosamente. Resultados: A terapia com hMSC promoveu uma redução significativa na infiltração eosinofílica, acúmulo de muco nas vias aéreas, deposição de fibras colágenas nas vias aéreas e no parênquima pulmonar, no conteúdo de α-actina nos ductos alveolares e bronquíolos terminais e nos níveis de IL-4 e IL-13 tanto nas vias aéreas quanto no parênquima pulmonar. A elastância estática do pulmão e a resistência da via aérea reduziram-se após terapia com hMSC. Conclusões: No presente modelo experimental de asma alérgica, a terapia com MSC derivadas da medula óssea humana reduziu o processo inflamatório e o remodelamento das vias aéreas e parênquima pulmonar, melhorando a função pulmonar.

Palavras chave: Asma alérgica. Células mesenquimais. Fibras colágenas. Citocinas. Eosinófilo.