V Congresso ANPTECRE
article

V Congresso ANPTECRE, v.5, 2015.

A ESCOLA CONFESSIONAL DE EXCELÊNCIA PODE SER ESPAÇOTEMPO DE PASTORAL?


Fernando Degrandis

Se por um lado a sobrevivência das escolas confessionais privadas está na garantia de uma excelência acadêmica a sua comunidade educativa, por outro segue diante do desafio de concretizar uma “escola em pastoral” para consolidar a missão dos seus fundadores, que vão ao encontro da missão de fé que fundamenta seu projeto político pedagógico. O conceito de escola em pastoral supera o tradicional de proselitismo. Nesta nova perspectiva de pensar uma comunidade educativa confessional cristã, o olhar está vinculado aos valores que permeiam o seu currículo e as relações mais cotidianas. Para além desse olhar da missão fundacional da escola confessional, há de se considerar a realidade global como um todo: a complexidade e a dinamicidade do mundo contemporâneo. Não cabe mais um processo de ensino e de aprendizagem que ensine conteúdos desconectados, já que a realidade além dos muros escolares se apresenta com uma série de relações complexas. A discussão da contextualização e da educação com sentido pode ser embasada no debate de um ensino e aprendizagem por competências e habilidades. É possível para a escola confessional católica fazer o olhar integral para o ser humano, se propor a educar para além do academicismo, contemplando valores pessoais e sociais, bem como para um projeto de vida da pessoa do estudante? O conceito de evangelizar pela educação – que embasa a escola em pastoral – e das macrocompetências, ligados ao carisma e ao Projeto Educativo do Brasil Marista, se apresentam como uma possibilidade. Nas macrocompetências, o currículo aborda um olhar acadêmico, mas também ético-estético, político e tecnológico do processo de ensino e de aprendizagem, oferecendo um olhar integral para a educação do estudante. Nesta, conjuga a excelência acadêmica e humana.


Palavras-chave: Escola em pastoral; Macrocompetências; Excelência integral.





Texto completo em PDF