Archives of Oral Research
article

Archives of Oral Research, v.9, n.3, 2013.

Avaliação da alcalinidade do mineral trióxido agregado associado a Aloe vera


Lorena Soares Melo 1
Gustavo Barros Campelo 2
Germana Miranda Damascena 3
Jessyca Leal Moura Fé 4
Isadora Mello Vilarinho Soares 5
Carmen Milena Rodrigues Siqueira Carvalho 6

Objetivo: Na tentativa de coadjuvar um veículo fitoterápico com as propriedades do Mineral Trióxido Agregado (MTA), o objetivo deste estudo foi avaliar in vitro a dissociação iônica deste biomaterial associado a Aloe vera por meio da mensuração do pH. Material e métodos: O estudo foi composto por três grupos, sendo cada grupo representado pelas seguintes soluções: Grupo I (controle): MTA-Angelus® + água destilada. Grupo II: MTAAngelus ® + Propilenoglicol. Grupo III: MTA-Angelus® + Aloe vera. Após a homogeneização, cada mistura permaneceu em um béquer descansando por uma hora e o pH inicial mensurado. Em seguida, realizou-se a mensuração do pH das substâncias após 1 h, 24 h, 7, 14 e 30 dias. Resultados: O pH de cada grupo manteve-se entre 8,5 e 11. O Grupo I apresentou os valores mais elevados. Os grupos II e III atingiram valores semelhantes, porém mais estáveis quando comparados ao do Grupo I, com diferença estatisticamente significativa, p < 0,05, entre os tempos de 7 e 14 dias. No período de 30 dias foi possível observar uma similaridade entre os valores de pH dos 3 grupos estudados. O Grupo I diminuiu o pH, tornando-se semelhante aos grupos II e III, sem diferenças estatísticas. Conclusão: Observou-se que a Aloe vera, quando utilizada como veículo do MTA, não interfere na dissociação iônica e na liberação de íons cálcio e hidroxila.


Palavras-chave: Alcalinização. Medicamentos fitoterápicos. Aloe. Endodontia.


Alkalinity evaluation of mineral trioxide aggregate associated with Aloe vera


Objective: In attempting to assist an herbal vehicle with the properties of Mineral Trioxide Aggregate (MTA), the aim of this study was to evaluate ionic in vitro dissociation of this biomaterial associated with Aloe vera as a vehicle by measuring the pH. Material and methods: The study consisted of three groups, each group being represented by the following solutions: Group I (control): MTA-Angelus® + distilled water. Group II: MTA-Angelus® + Propylene glycol. Group III: MTA-Angelus® + Aloe vera. After homogenization, each mixture remained in a beaker resting for an hour and the initial pH was measured. Afterwards, the measuring of the pH of the substances was carried out during periods of 1 h, 24 h, 7, 14, and 30 days. Results: The pH of each group remained between 8.5 and 11. Group I was the one with the highest values. Groups II and III had similar values, but more stable when compared to Group I, which over time of 7 and 14 days was statistically significant, p<0.05. Analyzing the period of 30 days, it was possible to observe a similarity between the pH values of the three groups. Group I presented a decrease in pH, making it similar to groups II and III, with no statistical differences. Conclusion: It was observed that Aloe vera associated with MTA could promote the release of calcium and hydroxide ions as a possible vehicle to assist MTA and the actions of this biomaterial mainly in longer periods.


Keywords: Alkalinization. Phytotherapeutic drugs. Aloe. Endodontics.

1 Estudante de iniciação científica, Departamento de Patologia e Clínica Odontológica, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
2 Estudante de iniciação científica, Departamento de Patologia e Clínica Odontológica, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
3 Mestre em Odontologia, Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
4 Mestre em Odontologia, Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
5 Acadêmica do programa de Pós-Graduação em Odontologia, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.
6 Professora do Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Patologia e Clínica Odontológica, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil. E-mail: carmenmilena@ufpi.edu.br.

Texto completo em PDF