Psicologia Argumento
article

Psicologia Argumento, v.29, n.65, 2011.

A comunicação médico - paciente pediátrico - família na perspectiva da criança


Letícia Macedo Gabarra 1
Maria Aparecida Crepaldi 2

Esta pesquisa visou a descrever a comunicação médico - paciente pediátrico - família na perspectiva da criança. Participaram do estudo 15 crianças hospitalizadas com doenças crônicas. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, utilizou-se a análise de conteúdo temático, que resultou em cinco categorias: tipos de comunicação, conteúdos comunicados, comunicação médico - paciente pediátrico - família, comunicação intrafamiliar e fontes de informação. Os tipos de comunicação citados foram a direta e a indireta. Em relação aos conteúdos comunicados, as crianças recordaram dos momentos de menor sofrimento. As crianças referiram que os profissionais conversam mais com os seus pais do que com elas. A comunicação familiar foi indicada como a principal fonte de informação sobre a doença. Desta forma, considera-se que as crianças possuem capacidade de compreender e perceber o que corre com o seu corpo; no entanto, os profissionais e a família tendem a omitir informações visando a protegê-las de maiores sofrimentos.


Palavras-chave: Comunicação médico - paciente pediátrico - família. Doença crônica. Psicologia da saúde. Psicologia pediátrica.


Doctor - pediatric patient - family communication, from the child’s perspective


The objective of this research was to outline the communication between doctor, pediatric patient and the family from the perspective of the child with chronic disease. Fifteen hospitalized children have participated in it, the included age range being between 5 and 13 years old; Firstly, semi-structured interviews were applied and then the data was analyzed according to the ‘thematic content analysis technique’. The analysis resulted in 5 categories: type of communication, content communicated, communication doctor - pediatric patient - family, intra-family communication and sources of information. The children examined showed two types of communication: direct and indirect. In relation to the content of the communication, the children remembered the moments which enerated less suffering. All the children said the professionals talked more to their parents, rather than directly to them. Familiar communication was said to be the main source of information about the illness. In this way it was seen that children have the capacity to understand and perceive what happens with their bodies, however professionals and family tend to omit information with the intention of protecting them from greater suffering.


Keywords: Doctor - pediatric patient - family communication. Chronic disease. Public health psychology. Pediatric psychology.

1 Doutora em Psicologia pela UFSC (2010), atualmente é docente do curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Sociais de Florianópolis (CESUSC), Florianópolis, SC - Brasil, e-mail: leticiagabarra@gmail.com
2 Doutora em Saúde Mental pela UNICAMP, docente do curso de Graduação e Pós-Graduação em Psicologia da UFSC, membro do Laboratório de Psicologia da Saúde, Família e Comunidade (LABSFAC - UFSC), Florianópolis, SC - Brasil.

Texto completo em PDF